Série: Ele me encontrou – Parte II

Confiante na Palavra e nas promessas do seu Pai ela se permite sonhar, e sorri ao lembrar que é desejo d’Ele ver os sonhos dela se tornando realidade.

Com papel e lápis na mão ela começa a descrever uma parte fundamental para realização de seus preciosos sonhos…

Ela escreve:

Que seja íntegro;

Que seja servo;

Que seja grato;

Que ame a Deus acima de todas as coisas;

Que tenha pais vivos; (ela sonha que seus filhos tenham avós)

Que seu coração seja inclinado ao ministério e ao serviço do Reino, mas que ele tenha uma profissão;

Que seja educado;

Que seja gentil;

Que seja cordial;

Que seja maduro;

Que seja bem humorado;

Que seja responsável;

Que seja carinhoso;

Que seja sensível;

Que tenha temor e zelo pela Palavra;

Que ore;

Que confie em Deus;

Que seja um excelente e presente pai;

Que seja meu melhor amigo, meu parceiro;

Que seja líder, cabeça, exemplo;

Que seja bom filho, pois o bom filho será um bom marido;

Ao concluir, o Pai perguntou:

- O que mais você deseja encontrar nele filha? Como você o imagina?

Ela sorriu, pois não imaginava que o Pai se importaria em ouvir esses detalhes! É que às vezes somos assim, esquecemos que Ele se importa detalhadamente com nosso coração. Então, o Pai enfatizou:

- Filha, me conte mais detalhes, o que você deseja?

Ela como quem vê pela primeira vez o mar, se empolgou a dizer:

- Pai, quero que ele me admire! Admire quem eu sou e como sou. Quero que ele saiba tocar algum instrumento, para louvarmos juntos a Ti. Pode ser violão ou teclado, algo assim, tanto faz. Paiiii, quero que ele cante e que me faça uma música.

Nesta hora ela se jogou para trás na cama e riu alto, pois em seu coração tudo isso parecia um exagero! E por um momento a dúvida tentou surgir em seu coração… Mas o Pai a segurou pela mão, olhou em seus olhos e disse:

- Filha, pede, creia sem duvidar e eu o farei!

Ela respirou fundo, secou a lágrima que rolou de seus olhos; segurou firme a caneta e declarando com a fé que seu Pai plantara em seu coração, escreveu:

- Ele será tão apaixonado por Jesus que se parecerá com Ele!

Enquanto não te vejo, te escrevo.

Até o próximo post, com carinho…

Cíntia Silveira.

 

Série: Compartilhando boa leitura – Por Cíntia Silveira

LIVRO: O DIVÓRCIO COMEÇA NO NAMORO

Olá pessoal,

Estou aqui hoje “invadindo” a série do Paulo Lisboa, para compartilhar um pouco sobre um livro muito bacana que lemos. E é claro que queríamos muito contar para vocês.

Tivemos conhecimento e indicação deste livro através do querido Pastor Marcelo Evangelista enquanto ministrava sua aula de aconselhamento pastoral aqui no Seminário Teológico Carisma. O Pastor Marcelo é responsável pelo “Ministério Eliezer” (solteiros, viúvos e divorciados) da Igreja Batista da Lagoinha e  é autor de um excelente livro cujo tema é “Solteiro sim, sozinho jamais”. Breve estarei compartilhando sobre este livro também com vocês.

Pois bem,

E o livro “O Divórcio começa no namoro” cujo autor é o Edson Alves de Souza e a editora é a BV BOOKS, contém apenas 45 páginas e você o lê em poucos minutos.

Vou descrever mais sobre o conteúdo para vocês, certo?

Índice:

  • Apresentação
  • Falando sobre namoro
  • Intimidade Física x Amor
  • Não brinque com fogo
  • Esperar alguém no Senhor existe?
  • Paixão x Amor

Estes entre outros são alguns dos assuntos abordados no pequeno livreto cheio de verdades. Na sua apresentação o autor diz: “neste livro foi feita uma objetiva exposição das principais causas do divórcio, que é um assunto do interesse de solteiros e casados. Abordei este assunto procurando ser o mais direto possível; utilizando uma linguagem franca e sem rodeios.”

Uma frase que nos marcou no primeiro capítulo do livro foi:

“Ter intimidade sem compromisso é defraudar”

Defraudar é criar expectativa em alguém, mas não  corresponder o que foi prometido. E hoje vemos facilmente os relacionamentos caminhando a um nível de intimidade, onde não há compromisso e sim um governo do sentimento e do prazer.  E este relacionamento baseado somente em atração física só dura enquanto durarem esses sentimentos e a falta do compromisso irá levar esta relação facilmente a ruína.

O livro segue em uma linguagem clara com exemplos simples, mas muito importantes dentro do tema proposto. Conselhos como: “Não acenda um fogo que não pode apagar”, entre outros são vistos nas páginas do pequeno livreto.

O Pastor Edson, autor do livro diz: “Não ir longe demais vai depender da maturidade, da força de vontade e do autodomínio”.

No capítulo “Esperar alguém no Senhor existe?” eu e Paulo gostamos muito de uma descrição que o autor fez, ele disse:

“Algumas coisas são essenciais: atração psicológica, que implica admiração, charme, atração física, objetivos mútuos, afinidade intelectual e afinidade espiritual”

Legal, não é? Fica aí uma boa dica para você anotar e avaliar quando perceber alguém interessante. De fato essas são características muito importantes para uma boa caminhada juntos.

No capítulo “Amor  x Paixão”, é muito interessante a abordagem que o autor faz a respeito do ciúme. Onde ele descreve que na paixão, o ciúme é exagerado e no amor, ele se manifesta como zelo. Eu te encorajo a ler para ter uma melhor percepção sobre o assunto e muito mais que o livreto nos apresenta.

Para concluir,

O divórcio começa no namoro quando…

O aspecto físico e sensual ocupa o primeiro lugar no relacionamento.

O divórcio começa no namoro quando…

Há apenas paixão, e não amor verdadeiro.

O divórcio começa no namoro quando…

Quando não espero no Senhor, e me ponho em julgo desigual.

O divórcio começa no namoro quando…

Quando casamos apenas com as virtudes.

Esses entre outros motivos causam o divórcio que começa no namoro.

Quero encorajar você a fazer a leitura deste e outros livros que possam auxiliar, ensinar e abençoar a sua vida e o seu relacionamento.

Livreto

Com carinho, Cíntia Silveira.

Série: Ele me encontrou – Parte I

Era um final de tarde e ela estava em seu novo quarto, em um novo tempo, em uma nova cidade.

Ela refletia sobre este novo tempo que estava começado em sua vida, e de repente se deu conta que era um perfeito momento para iniciar a conversa mais esperada do dia…

O bate papo de Pai para filha.

E entre tantos elogios, afinal ela não consegue iniciar esse “papo” de outra maneira, se não, dizendo ao seu Pai o quanto Ele é maravilhoso e o quanto ela O ama e O admira. E conversa vai e vem e Ele também diz a ela através de Sua doce Palavra o quanto Ele a amou desde o princípio.

E em meio a esses carinhos o Pai que se importa com cada detalhe do coração da sua filha a conduz em uma dança. E durante esta suave dança o Pai sonda o coração da filha e nele encontra tantos sonhos, alguns deles trancados em um baú com uma fita escrita: Interrompidos! O Pai a abraça imediatamente, um abraço forte e confortador. E então, Ele sussurra ao seu ouvido: filha, quero te ver vestida de noiva, quero te ver vivendo todos os seus sonhos. O que deseja seu coração? Conte para mim e Eu os realizarei.

Ao ouvir o Pai, a filha o abraça fortemente, pois ela O conhece e sabe o quanto Ele é fiel a Sua Palavra. A música aumenta e em meio há tantos rodopios dançantes ela começa a contar ao seu Pai tudo que havia escondido no baú.

Quero ser mãe!

Quero cuidar da minha casinha!

Quero mais que um príncipe, quero um amigo, companheiro, divertido, apaixonado, responsável, alguém que me leve a cada dia mais para o centro da Tua vontade!

Quero ser uma boa esposa, auxiliadora e incentivadora do meu marido!

Quero Te servir com toda minha vida, pois a Tua Palavra diz que em tudo a Ti deve ser dada a glória e eu quero isso, eu quero, eu quero!!!

O Pai sorri ao ver o entusiasmo da filha, rodopiando e tirando como lenços do baú cada um dos seus sonhos e colorindo todo o espaço em meio aos rodopios dançantes e com amor e graça Ele aguarda até que ela enfim pare e após se sentar ofegante se recupere e o ouça…

- Filha, minha menina! Disse carinhosamente o Pai, enquanto ajeitava seus cabelos e continuou…

- Eu quero vê-la realizar todos os seus sonhos, pois esses fui Eu mesmo quem gerou em seu coração. Mas existe um processo a ser realizado e Eu irei ajudá-la com isso a cada encontro nosso. Eu irei moldar, curar, e te preparar para viver cada fase dos seus sonhos, pois sou Eu o maior interessado que cada um deles se cumpra.

A filha olhando fixamente para o Pai, respondeu: – Pai, então me ensina, me cura, me molda, me leva a viver os Teus sonhos. E não me deixe escolher outro caminho, se não, o que o Senhor preparou.

E isso era o que o Pai aguardava ouvir para recolher os lenços e o baú, e imediatamente arrancar a fita que dizia “interrompidos” e trocar por outra que dizia: “À caminho”.

Com um abraço carinhoso Pai e filha se despediram com saudades e já contavam as horas para a próxima dança…

Em meu quarto.

Até o próximo post!

#EleMeEncontrou

Com carinho, Cíntia Silveira.

Série: Compartilhando boa leitura – Por Paulo Lisboa.

Olá pessoal,

Na série Compartilhando boa leitura estarei trazendo boas dicas de livros para vocês. Espero trazer boas informações do tema e farei o possível para que mesmo dentro da minha ótica, eu possa dividir o máximo do que absorvi na leitura para despertar em vocês o interesse e claro trocar com vocês muitas ideias.

E o primeiro livro da série que estarei compartilhando com vocês tem como título “As cinco linguagens do amor para solteiros” cujo autor é o Gary Chapman.

Então, vamos lá!!!

Namorar, por quê?

Por que namorar? Você já se fez essa pergunta?

Entender a razão dessa pergunta é entender a importância do namoro. Se você acha essa pergunta irrelevante só mostra o pouco conhecimento que tem sobre os propósitos de um namoro.

Mas você pode pensar: Bem, eu estou apaixonado, isso não é o suficiente?

Eu, apesar de já ter pensado a mesma coisa, hoje posso responder com bastante certeza…

NÃO É SUFICIENTE!!!

Um dos propósitos do namoro é conhecer membros do sexo oposto e aprender a se relacionar com eles como pessoa. (Página 170 – As cinco linguagens do amor)

Deus nos fez homem e mulher, e é desejo dele que nos relacionemos como criaturas feitas a sua imagem. Portanto nenhum relacionamento pode ser construído sem algum tipo de interação social.

E é dessa forma que devemos ver o namoro.

 O período do namoro proporciona um tempo de interação com o outro sexo, o que nos permite interagir e aprender a se relacionar com o outro. O grande problema é que atualmente vivemos uma inversão de valores. Somos constantemente estimulados e treinados a ver o sexo oposto como objetos sexuais.

Você deve estar pensando: Acho que isso é um exagero!

Então vamos avaliar a maneira como a maioria dos jovens de hoje tem levado seus relacionamentos.

Vou apenas citar alguns exemplos:

  • Sexo antes do casamento;
  • Pornografia;
  • Traição;
  • O famoso “Ficar”;

Mulheres se vestem para virar a cabeça dos homens e homens ficam com a cabeça virada não pelo caráter, mas, sim pelo corpo da mulher. Mulheres e homens buscam corpos definidos para atrair e conquistar o parceiro. E sim, a maioria se relaciona para obter sua própria satisfação.

O que concluímos?

Ambos se veem como: OBJETO SEXUAL

Pergunto: Onde fomos parar???

Desde quando a forma física passou a ser considerado valor?

Não estou falando que cuidar do corpo seja errado, afinal, somos templo do Espírito Santo de Deus (1 Co 6:19) e é nossa responsabilidade cuidar bem dele. Entretanto a nossa escolha não pode ser fundamentada nesses critérios. Aconselho você a buscar os reais valores de alguém. Mas para isso você precisará reavaliar quais sãos os seus valores.

O que é importante para você, rapaz? Reconhecer o carácter de Cristo em uma mulher ou o contorno “sexy” dela?

O que é importante para você, moça? Um homem íntegro e respeitoso ou o peitoral atraente dele?

Lembre-se, o namoro é um tempo de conhecimento.

Tempo para conhecer.

Conhecer o caráter, sonhos, qualidades, defeitos, fragilidades e objetivos de vida.

Conhecer aquilo que os olhos não podem ver, pois bem sabemos que o que vemos é passageiro.

 Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.

2 Coríntios 4:18

Paulo Lisboa - Leitura

 

Continuaremos…

Até o próximo post!

 

 

Em Cristo, Paulo Lisboa.

Ele esquece, Ele ama.

Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,

Filipenses 3:13

 

Esquecer é uma atitude mental. Não é algo que acontece por acaso. É necessário esforço para nos esquecermos de algo. Precisamos ocupar nossa mente com novos pensamentos. Precisamos lembrar-nos do que Cristo fez por nós e esquecer o que fizemos.

Esquecer é aceitar a graça de Deus. É entender que nossas escolhas erradas foram perdoadas e que podemos seguir em frente.

Esquecer nesse contexto não é um déficit de memória, mas, é uma atitude madura, consciente e humilde daqueles que entendem que o passado não pode ser mudado, mas o futuro pode ser construído e pode ser muito, muito diferente.

Você já viu aqueles filmes onde o personagem que numa tentativa frustrada de apagar seu passado pregresso, forja sua própria morte e vai morar em outro país? Ele cria uma nova identidade com outro nome e muda sua nacionalidade.

Foi isso que Cristo fez conosco, mas com uma diferença, Ele fez de uma maneira legal!

Ele morreu no nosso lugar e levou as nossas transgressões. Morreu para que tenhamos vida. Deu-nos nova vida e nova identidade. Pagou a nossa dívida.

 

Na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas,
Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.

Colossenses 2:13-14

 

Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;

Gálatas 3:13

 

Ele se fez maldição por nós. Carregou a nossa culpa. O justo, sem pecado se fez maldição por nós.

 

Meu Deus!!!! Não existe amor como esse!!

 

¶ E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados,
Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência;
Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.
¶ Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,

Efésios 2:1-4

Não sei como se sente quando lê esses versículos, mas no meu caso, sinto-me muito amado. Sinto um amor que me constrange e me faz me apaixonar ainda mais por Cristo. É um amor tão extraordinário que me leva a fazer uma pergunta?

O que fiz para merecer isso?

Nada. Pelo contrário merecíamos a cruz.

Difícil de entender não é? Principalmente em uma sociedade consumista e com mentalidade capitalista que pensa que tudo pode ser comprado.

De fato, o amor de Deus é algo difícil de compreender. Começo a pensar que nunca vamos compreendê-lo, pois o amor de Deus vai além da compreensão humana.

O amor de Deus não pode ser compreendido. Ele também não pode ser comprado, nem conquistado. A única coisa que podemos fazer é aceitá-lo.

Pare de tentar obter o amor de Deus pelo seu esforço. Você não irá conseguir.

Pare de se condenar pelo o que já fez. Deus não irá amá-lo menos por isso. Na verdade, não tem como Deus nos amar mais do que Ele já nos ama.

Esqueça-se do seu passado. Deus já se esqueceu dele. Construa seu futuro.

Não rejeite a graça de Deus sobre a sua vida, pois é isso o que fazemos quando deixamos os pensamentos de condenação fazerem morada em nossas mentes.

Não importa o que você já fez, ou tipo de pessoa que você um dia foi. Temos uma nova vida EM CRISTO.

Não tente compreender a Graça de Deus. Apenas a aceite e viva debaixo dessa Graça.

Paulo

Em Cristo, Paulo Lisboa.

Começa e termina.

Olá moças e rapazes amigos do blog, tudo bem?

Começa e termina é o título do post do dia.

E você já deve estar se perguntando: O que começa e termina , Cíntia?

Pois bem, eu respondo:

O que “começa e termina”  são os relacionamentos de hoje em dia.

Não precisamos ir longe para ver esse ciclo se repetindo, basta olhar para lado e conseguimos identificar o quanto os relacionamentos começam de uma hora para outra e com a mesma facilidade eles terminam. Não existe um direcionamento, um cuidado, um acompanhamento para se decidir pelo início nem tão pouco pelo final. E sabe o resultado disso? Corações feridos, despedaçados e marcados.

Hoje em dia as etapas são facilmente puladas. Posso até dizer que facilmente atropeladas!!!

Não há um cuidado em investir tempo para saber quem é a pessoa com o qual se deseja relacionar. E pessoal, quando eu falo em “investir tempo em conhecer” quero dizer:

- Conhecer seus princípios e valores;

- Conhecer como é o relacionamento dessa pessoa com Deus;

- Conhecer o relacionamento da pessoa em seu ciclo familiar;

- Conhecer como essa pessoa é com seus amigos;

- Conhecer como essa pessoa reage em determinadas situações;

 – Conhecer como a pessoa é em relação as suas responsabilidades, ou seja, estudo, emprego, finanças, compromissos, etc.

No mínimo esses são pontos realmente relevantes a se saber antes de se começar um compromisso.

Só que não! As pessoas estão começando seus relacionamentos apenas baseados em critérios superficiais e esses são fáceis de perceber que não são confiáveis nem seguros. Por isso na mesma rapidez e intensidade que os relacionamentos iniciam eles terminam.

Algumas vezes chego até a pensar que isso é alguma síndrome de “conto de fadas”. Gente, fala sério?

Só em contos de fadas o casal se encontra se vê pela primeira vez e se apaixona e se casa no parágrafo seguinte sendo felizes para sempre.

Na vida real é necessário que haja o investimento em se conhecer em se tornar no mínimo amigos, parceiros. É uma grande fria cair de cabeça; comprometer sua imagem, sua vida com alguém que você simplesmente achou bonito(a), interessante, meigo(a) e etc.

Eu já falei isso aqui no blog e vou repetir: “Quem se relaciona várias vezes não se torna mais experiente e sim mais ferido”.

Então pessoal, vamos ser mais criteriosos. Invista em conhecer a pessoa, ore, busque direcionamento no Senhor, pois só Ele pode revelar a você aquilo que a paixão não te deixa ver.

Meu desejo é que você tenha “o relacionamento da sua vida” e não mais um relacionamento.

Começa e termina.

Com carinho, Cíntia Silveira.

Ver o bem, faz bem.

Olá, que bom que você veio!

Quero começar pedindo a você que imagine a seguinte cena:

Você está em meio a rotina de trabalho ou quem sabe estudo, prazos, metas, horários, enfim…

Um misto de emoções, alguns preparando casamento, outros com situações especiais ou até difíceis para resolver e você no meio disso tudo de repente se vê sozinho(a). Não há alguém que possa parar para te ouvir ou pelo menos contar com você para desabafar os próprios dilemas.

O que você escolhe fazer?

Reclamar e se sentir a pior companhia do mundo.

Se auto mal dizer, se vitimizar, e blá, blá, blá.

Chorar e acreditar que está só no mundo e sem valor.

E aí? Qual é a sua?

Vou te mostrar como ver o bem, faz bem.

Nesta situação você pode escolher ver o bem! Escolha perceber que mesmo que no mundo alguém não te perceba por instantes ou não conte com você. Existe um outro Alguém que nunca, jamais te abandonará! (Hebreus 13: 5b)

Essa é uma das promessas mais lindas que o Dono do ‘nosso’ sorriso nos faz em Sua Palavra, não é mesmo?

Agora vamos imaginar a segunda cena?

Ao chegar contente para compartilhar algo maravilhoso e extraordinário que lhe aconteceu, você percebe que entre a galera alguém não vibrou com você…

E aí?

O que pensar?

Ah… Essa pessoa é invejosa e mal amada.

Essa pessoa não vai com a minha cara!

Essa pessoa jamais caminhará comigo na vida!!! Que absurdo!!!

Ei, psiu?

Ver o bem, faz bem.

Talvez o dia “dessa pessoa” não tenha sido um dos melhores dias. Talvez ela não esteja bem emocionalmente, quem sabe problema na saúde de alguém querido ou até problemas que parecem impossível de se resolver.Ela simplesmente tem seus motivos para estar desanimada e não conseguiu expressar alegria.

Se formos sensíveis ao agir e reagir do próximo, seremos benção para vida deles e canal de cura também.  Tudo bem, eu concordo que não temos que passar e fazer ninguém se sentir mal por causa dos “nossos problemas”,. mas a “pessoa” talvez ainda não saiba disso. Então cabe a nós fazermos nossa parte!

Precisamos aprender a amar como Jesus nos ama e ensina. Desse modo seremos capazes de ver o bem e agir  e reagir de maneira que demonstre o amor. (I Coríntios 13: 5b)

Escrevo hoje sobre isso e oro para que através da obra do Espírito em mim eu possa trocar o meu modo de muitas vezes enxergar as coisas. Peço ao Dono do meu sorriso que me ensine a ver o bem  e a enxergar o melhor nas pessoas, nas situações e em todas as coisas.

Compartilho esse post com você, pois sei que cada um de nós temos fraquezas e limitações eu percebi muitas vezes que essas foram fraquezas minhas. Mas desejo aprender com Jesus.

Quero encorajar a você a também fazer essa oração, pois ver o bem, faz bem.

Ver o bem, faz bem.

Beijo cor de rosa, com olhar de amor.

Cíntia Silveira.